sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Verão, calor e falta de trabalho

Sei que fiz forfait semana passada e que isso não tem desculpa. Mas...

A vida de um freelancer, nobres colegas, é a eterna espera. Sendo assim, o negócio é aguardar que o ano comece depois que passar o carnaval. O tempo se prolonga e você manda 15 e-mails diários procurando trabalho, espera mais uma semana e neca. Então ficamos nessa: pensa na vida, varre a casa, faz um café, tira o pó dos livros, vai na esquina e bebe uma cerveja, faz um mate, limpa o chão etc. O piso tá brilhando, mas a falta do que fazer nos deixa com a pulga atrás da orelha, limpa de novo. O calor é senegalês, e o lado bom desse momento limpeza é que estamos sempre ao redor d’água. Como dizem: ao faxinar a casa, lavamos a alma. Isso é necessário de tempos em tempos, tão necessário quanto um banho de mar, um exercício físico, uma higiene mental ou o trabalho e o ócio que nos cercam. No momento correto, pensar faz bem. Alguns podem questionar: “pensar sempre faz bem, cara! Deixa de ser burro!” O buraco é mais embaixo, “mermão”. Quando trabalhamos sem descanso, não pensamos. Estamos sempre naquele estado de reação imediata aos estímulos externos: o treinador joga a bola e o cachorro corre e pega. Compreenda: você é o cachorro. Esperar e pensar são momentos que devem ser apreciados e estimados com o devido respeito.

Mesmo depois de tantos devaneios é necessário continuar a procura por trabalho, como o diria o meu irmão é “a filosofia do Silvio Santos: quem procura acha!”. Mas cansa e dá nos nervos, ainda assim continuamos. Vamos em frente.

Um comentário:

Andréa disse...

Eu sou eterna questionadora do papel do trabalho na vida do ser humano.